Boletim da APP – 21/08/20

Informativo eletrônico semanal da APP-Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do PR

32 anos do 30 de agosto de 1988: categoria em luto e na luta pela educação pública

Devido a pandemia do novo coronavírus, manifestações do dia 30 de agosto serão nas redes sociais

Neste domingo (30), a educação pública do Paraná faz memória de um acontecimento que marcou para sempre a história do estado. No dia 30 de agosto de 1988, a Praça Nossa Senhora de Salete, na capital, foi o palco da violência do governo de Álvaro Dias. Policiais avançaram com cavalos, cães e bombas contra professores(as) em greve, que protestavam pacificamente por melhores salários e condições de trabalho.

Muitos(as) ficaram feridos, no corpo e na alma, e para o atual presidente da APP-Sindicato, professor Hermes Silva Leão, se por um lado o 30 de agosto recorda um fato triste, lamentável, por outro mostra a força da união da categoria em defesa da educação pública. Segundo ele, essa mobilização se repetiu no combate às violências praticadas por outros governos e se mantém firme contra os ataques dos dias atuais.

“Há 32 anos, o 30 de agosto é essa data do dia de luto e de luta de educação. O luto porque nós entendemos que é preciso cuidar sempre para que haja um aprendizado com a própria história. É também o dia de luta permanente porque além do governo Álvaro Dias, nós tivemos violências muito marcantes por parte de outros governantes, como Jaime Lerner e Beto Richa, e nós continuamos com governos autoritários que precisamos denunciar”, comentou.

Se a intenção do governo Dias era desmobilizar a categoria, a tentativa não deu certo. Anos após o ataque violento, no ano 2000 os(as) educadores(as) voltaram à luta e realizaram uma das maiores greves da história. Foram 96 dias de paralisação.

> Clique e leia a matéria completa <


APP mais Digital

O nosso tradicional Jornal 30 de agosto ganha sua versão digital. Aqui você confere as principais notícias dos últimos meses de maneira prática, rápida e na palma da sua mão. Você faz parte dessa história!

Baixe o PDF do jornal


FES entra na Justiça contra aumento do desconto da previdência

A ação é assinada por quinze instituições ligadas ao FES e pela Federação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) e Federação Interestadual dos Trabalhadores em Educação.

O Fórum das Entidades Sindicais (FES) protocolou na quinta-feira (27) Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) no Tribunal de Justiça do Paraná (TJ) contra o aumento da alíquota de contribuição para a previdência dos servidores públicos ativos, aposentados e pensionistas de 11% para 14%. A ação é assinada por quinze instituições ligadas ao FES e pela Federação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) e Federação Interestadual dos Trabalhadores em Educação.

> Clique e leia a matéria completa <


Feder ameaça Professores(as) por conta de evasão escolar no modelo EaD

Em vídeo que circula nas redes, o secretário afirma que pretende punir com falta Professores(as) por conta da alta taxa de evasão no de Ensino a Distância

Uma série de vídeos que circulam na internet desde quarta-feira (26), gerou revolta da categoria. Nas gravações que ocorreram em reunião com diretores(as) de escola, o secretário da Educação, empresário Renato Feder, revela o plano para que os(as) Professores(as) da rede estadual gravem vídeo aulas, com risco de receber penalidades caso os(as) alunos(as) não estejam presentes.

De acordo com o secretário, as aulas devem ter de 15 a 50 minutos, alegando que servirá para complementar o conteúdo já disponível no aplicativo Aula Paraná. Renato Feder afirma ainda nos vídeos que caso a sala virtual do Google Meet tenha dois alunos ou menos, o(a) professor(a) receberá faltas como punição. 

> Clique e leia a matéria completa <


Documentário “Pulsão” expõe como as fake news e a manipulação das redes influenciaram na política do Brasil

Com estreia prevista para o dia 4 de setembro, filme resgata as manifestações de rua, queda de Dilma, Lava Jato e ascensão de Bolsonaro

Foi golpe ou foi impeachment? Como a presidente Dilma Rousseff foi deposta do seu cargo? O que mudou com a promoção de Michel Temer à Presidência da República? Qual é o papel da Lava Jato no combate à corrupção ou na desestruturação de um partido e de uma política considerada progressista? E como o experiente deputado Jair Bolsonaro (sem partido) se aproveitou do cenário de polarização para se eleger presidente da República?

O documentário “Pulsão” não ousa ter as respostas para todas essas perguntas. Mas tem a audácia de apresentar algumas pistas e ainda provocar novas dúvidas no telespectador/eleitor. A obra, com pouco mais de 71 minutos, produzida pela Trópico Filmes, será lançada no próximo dia 4 de setembro, nas redes sociais. No filme, o diretor Diego Florentino resgata a turbulência social, política e jurídica no país de 2013 até praticamente o momento atual do Brasil.

> Clique e leia a matéria completa <


Bolsonaro veta pagamento de auxílio de R$ 600 a agricultores familiares

PL 735 que estabelecia medidas para ajudar trabalhadores durante a pandemia foi quase integralmente vetado

O presidente Jair Bolsonaro (ex-PSL) sancionou a Lei 14.048, de 2020, que estabelece medidas emergenciais para ajudar agricultores familiares durante a pandemia do novo coronavírus, mas vetou quase integralmente o Projeto de Lei (PL) 735/2020 que estabelecia medidas como o pagamento do auxílio emergencial de R$ 600 a agricultores familiares que não tivessem recebido o benefício. A proposta havia sido aprovada no Senado no inicio de agosto, depois de muita pressão do movimento sindical.

> Clique e leia a matéria completa <



Garanta seus direitos. Sindicalize-se!

Acesse nosso site